“Parem de confundir arquitetura e arte”, pediu Patrik Schumacher, sócio de Zaha Hadid (1950 – 2016), a mais importante arquiteta do mundo, a primeira mulher a receber o Prêmio Pritzker.

“Arquitetura é arte, nada mais”, declarou Philip Johnson, um dos principais arquitetos do século XX, e o primeiro a ganhar o Prêmio Pritzker, atualmente considerado o mais importante da arquitetura mundial.

Apesar da discussão continuar acesa, a verdade é que a arquitetura e a arte sempre caminharam lado a lado. Desde os primórdios, a humanidade vem construindo abrigos que aliam a necessidade de sobrevivência e utilidade ao prazer da beleza.

Sim, os seres humanos são apaixonados pelo belo. E a arquitetura, em sua expressão máxima, aproxima o homem do que é belo, incorporando os espaços aos seus anseios, como uma extensão da sua expressão.

Além disso, a arquitetura também tem a função de abrigar obras de arte. Nesse aspecto, o estilo contemporâneo se destaca. Sofisticado e minimalista, assume uma função de base, desprovido de excessos de informação, para que as obras sejam protagonistas.

Este projeto do celebrado arquiteto Isay Weinfeld é, sem dúvida, um dos mais belos exemplares da arquitetura residencial contemporânea brasileira. Não por acaso, é perfeito para colecionadores de arte.

 

Portfólio Bossa Nova Sotheby’s International Realty. Projeto: Isay Weinfeld CÓD. CA3631

 

Portfólio Bossa Nova Sotheby’s International Realty. Projeto: Isay Weinfeld CÓD. CA3631